Como e porque colocar a sua arte na internet

Desde sempre acredito que fui partidária do compartilhamento de informações e conhecimento. Já na escola a grande sacada era ajudar os amiguinhos com as matérias que eu entendia com mais facilidade, e também ser auxiliada por eles em disciplinas em que eu me mostrava uma verdadeira negação. Depois foi a época de aceitar de bom grado conhecimento de onde quer que ele viesse para conseguir encerrar o projeto do colégio técnico, e pra completar fui eu a cara de pau de propor que os candidatos de um processo seletivo se ajudassem em uma questão que parecia impossível para todo mundo. Sim, duas ou mais cabeças sempre chegam a uma melhor conclusão que uma só, e eu não acho que cobrir sua prova com braços e ombros vá fazer de você um melhor candidato.

E o mais legal é que a internet torna esse processo de compartilhamento de conhecimentos ainda mais viável – você pode compartilhar uma idéia no blog ou no Twitter e ver o que era apenas um palpite se transformar em um grande projeto, ou o que era apenas uma frase virar praticamente um tratado.

Eu comecei com um tuite pidão.

Depois de assistir alguns curtas de colegas aqui da Unicamp, percebi que a galera não entendia muito bem a importância de fazer seu trabalho ser devidamente indexado pelo Google. Não é que eles não saibam como fazer – eles descobrem em dois palitos – mas é a falta da noção do porquê fazer isso. Com isso, aproveitei o convite do amigo Jean de fazer uma palestrinha no Festival do Instituto de Artes (FEIA) para tentar planejar uma apresentação em que eu pudesse explicar para todos esses criativos e talentosos colegas as razões pelas quais eles deveriam sim se preocupar em criar um blog, um Twitter, uma página no Facebook e o que mais parecer viável para as suas produções artísticas, fossem elas vídeo, áudio, texto, fotografia, imagem ou o que for.

Humildemente solicitando a ajuda de gentes ligadas nos ‘tópicos da tendência’ da interwebs, como Inagaki, Kaluan e Bia Granja, eu compilei os seguinte esquemático para transformar em uma entusiasmada (e quase motivacional!) palestra pro FEIA. E como conhecimento tá aí pra ser compartilhado e, assim, expandido, vou publicar aqui o esquemático da minha idéia como um teaser do que está por vir, e também como uma forma de angariar ainda mais palpites pra ilustrar meu ponto básico que é: coloque a sua arte na internet. Pode ser que o sucesso não venha, mas pode ser que suas iniciativas sejam motor para outras, ou que sirvam de inspiração, ou até mesmo se tornem uma referência para uma futura indicação de trabalho. O que não pode é guardar tudo na gaveta, na contra-capa do caderno ou naquele CD riscadíssimo no fundo do armário.

E ainda que a minha arte de hoje se resuma a ser uma palpiteira de plantão, eu sigo meus próprios conselhos: tá aqui a minha ‘arte da pitacação’ na rede :)

FEIA 12 – Como e porque colocar sua arte na web

Gente que fez sucesso com a ajuda da internet
- Marimoon (fotologger para VJ da MTV)
- Rafinha Bastos (da página do Rafinha para o Standup Comedy e depois para o CQC)

O que você ganha logo de cara: nada
O que pode vir a ganhar: relevância (whoofie), dinheirinhos com cliques, propaganda, quem sabe uma boa proposta de trabalho

Sua arte é: Música
(canção, álbum, mashup, remix)

Caso mainstream: Radiohead
Caso emblemático: Mallu Magalhães, The Gregory Brothers, A Banda Mais Bonita da Cidade, Rebecca Black
Caso piada: Sou Foda, Stephanie do Cross Fox

Como colocar sua arte na web: MySpace, YouTube

Sua arte é: Vídeo
(curta, clip, produções audiovisuais em geral)

Caso mainstream: Felipe Neto, PC Siqueira
Caso emblemático: 3% – a série
mais infos e alcance internacional

Como colocar na web: Vimeo, YouTube, blog com informações, página do Facebook

Sua arte é: Visual
(desenho, foto, montagem)

Caso mainstream: (ainda a completar)
Caso emblemático: Fábio Rex com seus infográficos de bebidas, projeto fotográfico “eu sou gay”

Como colocar: deviant art, blog, flickr, tumblr

Sua arte é: Texto
(artigos, ensaios, ficção, contos, whatevar)

Caso mainstream: Shit my dad says, Clarah Averbuck
Caso emblemático: Edu Testosterona
Caso piada: pedreiro_online

Como colocar: jornais online (olha o Xavante!), blogs coletivos, blogs individuais, twitter

Como viabilizar monetariamente seus projetos

Crowdfunding (a famosa vaquinha)

Exemplos de sucesso
- Ajude um repórter
- Jornalista dos EUA cobre eventos da Líbia com grana arrecadada via KickStarter

Plataformas pra arrecadar a grana
- Kickstarter
- Catarse

Como proteger os direitos da sua arte

- Creative Commons

Agradecimentos:
@Kaluan_, @BiaGranja, @Inagaki, @barraponto e @jeancamargo

ATUALIZAÇÃO: Veja o Slideshare da apresentação feita em 26/setembro no FEIA 12 :)

2 comentários sobre “Como e porque colocar a sua arte na internet

  1. Lembro certinho de umas aulas com o @samadeu na pós da Cásper, dizendo:
    “Se você tem duas maçãs, e dá uma pra um amigo, cada um fica com uma maçã, mas o mesmo não acontece com ideias”
    Essa questão de compartilhar é mais importante do que podemos pensar em um primeiro momento.

    Além dos ganhos “pessoais”, de uma forma ou de outra você acaba contribuindo com algo maior, e isso também é gratificante.

  2. Pingback: Como e por que colocar sua arte na internet – apresentação no FEIA 12 « Pensamenteando

Os comentários estão desativados.